"Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi junto do mar."
Sophia de Mello Breyner Andersen

.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Deixo-me levar pela ausência de sentires
E entrego-me de corpo e alma ao meu destino
Seguindo as coordenadas dos meus impulsos
Do meu querer e acreditar...
Ignorando o futuro
Vivendo o presente
Recordando o passado...

3 comentários:

Francis disse...

Comecei por ouvir esta musica e fiquei rendido, li, reli e adorei!
é na simplicidade que se encontra a profundidade, este texto tem esse enquadramento.
Acrescentaria, viver o presente, alicerçado no passado, que tal?

ZeManel disse...

Inevitavelmente, o destino somos nós que o construímos a cada momento com as nossas acções...
Inevitavelmente!
Bjs

poetaeusou . . . disse...

*
deixo-me levar,
pelas claras aguas,
,
maresias cristalinas, deixo,
,*