"Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi junto do mar."
Sophia de Mello Breyner Andersen

.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008


Sejam os teus braços os meus remos
Seja o teu corpo o meu navio
Seja o teu beijo a minha âncora
Sejam os teus olhos a minha luz
Seja a tua pele a minha vela
Seja a minha vontade a minha rota
Sejas tu o meu porto de abrigo!

4 comentários:

Golfinho disse...

seja o que for...nem que seja um golfinho,... leva-a para um porto de abrigo.
Bjos de um Golfinho

ZeManel disse...

E que seja o porto de abrigo adequado e suficientemente resguardado... :)))
Bjs

poetaeusou . . . disse...

*
que seja . . .
,
conchinhas de luz,
deixo
,

Baraújo disse...

um porto de abrigo tresloucado, deixa que te diga...

tão simples, tão teu e tão bonito...

lindissima a imagem.

beijo terno